Arquivo

Posts Tagged ‘4g’

Tecnologia 4G pede investimentos para chegar ao Brasil em 2014

11 de janeiro de 2012 Deixe um comentário

Conexão 3G chega a uma velocidade de 1 megabit por segundo, enquanto que a 4G passa de 10 megabits. Acesso mais rápido à internet melhora a qualidade dos vídeos vistos em tempo real, sem necessidade de download.

Não é tão antigo quanto a central telefônica da década de 1920, mas sim, o celular já virou peça de museu. Tão obsoleta quanto a pesada bateria dos primeiros “tijolões” é a ideia de um aparelho feito só para falar. A nova geração de celulares promete uma internet dez vezes mais rápida. O 3G, que ainda ontem trouxe o mundo para a palma da mão, já foi superado.

A tecnologia 4G chegou aos Estados Unidos há dois anos. A primeira empresa a oferecer o serviço no país abriu as portas para a equipe do Jornal da Globo fazer testes. Para comparar a velocidade das duas redes, a 3G e a nova a 4G, usamos dois tabletes da mesma operadora, um ligado em cada rede.

A conexão 3G chega a uma velocidade de 1 megabit por segundo, enquanto que a 4G passa de 10 megabits. O acesso mais rápido à internet melhora a qualidade dos vídeos vistos em tempo real, sem necessidade de download.

A diferença realmente é impressionante. A qualidade do vídeo em 4G é muito superior à qualidade do mesmo vídeo em 3G.

Levamos um aparelho 4G para fazer outro teste: o de download de arquivos. Oferecemos a pessoas que usam o 3G a chance de se conectarem ao wi-fi 4G, para avaliarem a tecnologia mais moderna.

Jacqueline baixou uma foto no celular. Em geral, levava 45 segundos, e levou 20. Michael testou baixar um podcast que costuma levar de cinco a dez minutos. Com o 4G, baixou em apenas um minuto. Ele se diz impressionado, “foi muito rápido”.

Japão

No Japão, os celulares são mais usados como computador de bolso ou TV portátil. Com velocidades de download que chegam até 42 Mbps no meio da rua, Mayumi assiste a um vídeo de um grupo famoso lá, enquanto aguarda uma amiga. Qualidade perfeita.

Com a conexão japonesa, já é possível fazer uma teleconferência por telefone. Quando se captam imagens neste celular e se transmite para o computador, ficam granuladas, ficam congeladas de vez em quando. Quando o 4G chegar, não tenha dúvida. A imagem será perfeita: transmissão ao vivo usando apenas um celular.

Embora as empresas americanas usem comercialmente o termo 4G, os japoneses não consideram que a tecnologia atual, a LTE, usada tanto no Japão como nos Estados Unidos, mereça esse nome. É rápida, mas não o suficiente. Por isso, é chamada ainda de 3G pelos japoneses.

Os japoneses seguem o que sugere a União Internacional de Telecomunicações, órgão da ONU, que considera 4G a conexão com velocidade de download de pelo menos 100 Mbps.
A tecnologia funciona perfeitamente em laboratório, mas ainda faltam alguns anos para chegar às ruas. Um dos principais desafios é reduzir o tamanho do aparelho receptor.

Brasil

Estádio do Morumbi, quarta-feira. Faltam poucos minutos para o clássico São Paulo e Corinthians pelo campeonato brasileiro. O estádio não lotou, mas está cheio. Os jornalistas já estão posicionados, e não conseguimos fazer o teste de velocidade de um celular 3G.

A internet ficou instável, lenta. A velocidade, que gira em torno de 1 Mbps, ficou bem menor, porque dividimos o sinal com todo mundo que está acessando a rede. Para a Copa do Mundo, é preciso mais.

O desafio do Brasil é maior do que o da África do Sul, porque, em 2014, os estádios estarão ainda mais cheios de smartphones e tablets. Atualmente, a telefonia móvel no Brasil funciona assim: o sinal do 3G passa por frequências de ondas entre os aparelhos e as antenas, como em uma estrada.

Quando muita gente usa o celular ao mesmo tempo, os dados emitidos e recebidos são como vários carros que congestionam a via aérea. Os sinais de alguns aparelhos são passados para estradas piores, mais lentas, as frequências do 2G. Quando isso acontece aparece aquela letra “e”, de edge (limite) no aparelho. Quando o tráfico de dados é grande demais, tanto o 3G quanto o 2G ficam congestionados e o celular fica sem sinal mesmo.

Para começar a resolver isso, no ano que vem, as operadores vão abrir os sinais 3,5G. Até a copa, deve chegar o sinal do LTE, que no Brasil também chamaremos de 4G. Todos os sistemas vão funcionar ao mesmo tempo. Se o 4G ficar congestionado, o sinal vai para o 3,5G e assim por diante.

O governo promete o 4G operando em todas as cidades-sede até a Copa do Mundo. A largada será dada em abril deste ano, com a licitação da concessão do 4G. “Na hora em que assumimos o compromisso com relação à Copa, nós assumimos o compromisso com todos os eventos intermediários. Copa das Confederações, por exemplo, é a mesma coisa”, explica Ronaldo Sardenberg, ex-presidente da Anatel.

O governo deve liberar para o 4G uma frequência de menor alcance. Com isso, as empresas, além de adaptar a rede 3G, terão que montar novas antenas e investir em fibra ótica e microondas para o escoamento de dados. As operadoras vão gastar juntas, esse ano, cerca de US$ 18 bilhões na expansão da rede.

Professor de engenharia elétrica do Instituto Mauá, Marcelo Motta explica que o Brasil está atrasado, mas que há tempo para instalar o 4G nas cidades-sede até a Copa do Mundo. “A implantação das redes 3G no país chegou defasada em relação ao mundo por três anos. O mesmo deve acontecer com o 4G. Muitas vezes se chega a essa situação de ter que investir em uma tecnologia sem ter o retorno da tecnologia predecessora”, diz.

Seja para ver vídeo, ver e-mail ou até mesmo para falar com alguém, o rápido crescimento do 3G no Brasil e o péssimo desempenho do sistema em grandes eventos mostram que o 4G será bem-vindo.

Categorias:Uncategorized Tags:,

“Se tudo correr bem, em 2011 inicia o processo de LTE ( 4G ) no Brasil”, diz Branco Infra-Estrutura PDF Imprimir E-mail

27 de outubro de 2009 Deixe um comentário

Executivo da NEC acredita que se todo o processo de adequação da faixa 2,5GHz para a banda larga móvel for acertado até o final desse ano, o Brasil estará preparado para receber os dois eventos esportivos. Por outro lado, a empresa aposta na tecnologia 4G.

A NEC do Brasil está com grande expectativa para que a regulamentação da frequencia para o uso da banda larga móvel seja resolvida logo, para o investimento em LTE (Long Term Evolution). O vice-presidente do conselho de administração da NEC Brasil, Paulo Castelo Branco, diz que a tecnologia é muito mais “flat horizontal” e que ela é melhor, assim como possuir uma topologia de rede maior e acessível.

De acordo com o executivo, a NEC do Brasil ainda não investiu na fabricação de LTE e até o momento trabalha em projetos de consultoria e análise, como é o caso do envio da sua sugestão para a consulta pública número 31 da Anatel, que discute a mudança do uso da frequencia de 2,5GHz. “Fizemos um grande investimento em produtos e capacitação de funcionários para o segmento de WiMAX no País e, por causa da falta da homologação, não tivemos retorno e os produtos estão emperrados ”, diz o executivo.

Quanto aos produtos com tecnologia 3G, a NEC não teve grande interesse em fabricar os dispositivos WCDMA. Porém, há grande interesse de que o governo estipule logo a legalização da freqüência 2,5GHz, porque “é essencial tanto para FDD quanto para TDD”, diz Branco.

Branco acredita que as empresas (MMDS e Operadoras de telefonia móvel) vão conseguir trabalhar com o modelo de partilha das faixas, proposto pela Agência Nacional de Telecomunicações, que destina o Serviço Móvel Pessoal (SMP) de 140 MHz dos 190 MHz da faixa mais conhecida como 2,5 GHz, sendo 50MHz ao WiMAX e 50MHz para o LTE.

“É importante lembrar que no Brasil, antes dos dois grandes eventos esportivos, a Copa do Mundo (2014) e as Olimpíadas no Rio de Janeiro (2016), também acontecerão outros eventos, como as Olimpíadas Militares, além de ter anualmente a Fórmula 1. É essencial que as especificações técnicas estejam alinhadas para oferecer os serviços com qualidade”, enfatiza Branco.

Em outros países de atuação, segundo uma fonte da área de telecomunicações, a empresa já está realizando no Japão testes com a tecnologia 4G para as operadoras SoftBank e NTT DoComo. A implementação está prevista para iniciar a partir de 2010.

Para o representante da NEC, o projeto de implementação no Brasil não acontecerá de um dia para outro, mas as empresas (como operadoras, fabricantes e provedores) devem estar cientes do que será necessário para melhorar os serviços. “Depois da definição de freqüência, será um processo de estudos e investimentos de todo o setor. Acredito que, se tudo correr direito, os processos de implementação começarão a partir de 2011 no Brasil” prospecta.

Ericsson e Samsung concluem teste 4G na Suécia

26 de outubro de 2009 1 comentário

De acordo com as fabricantes, foram desenvolvidos os procedimentos necessários para a realização da primeira integração fim a fim por meio da rede LTE.

A Ericsson e a Samsung concluíram o teste de interoperabilidade entre o primeiro dispositivo LTE comercial disponível no mundo. O projeto foi criado pela Samsung e a rede LTE da Ericsson em Estocolmo, na Suécia.

As companhias desenvolveram em conjunto os procedimentos necessários para realizar a primeira integração fim a fim, ação que aconteceu por meio de testes com modems LTE da Samsung e a infraestrutura 4G da Ericsson.

Para as fabricantes, essa primeira ação de interoperabilidade total, bem sucedida no mundo, aproxima a tecnologia à realidade dos consumidores que estão prestes a obter serviços de alta velocidade para a transmissão de dados em qualquer lugar e a qualquer momento.

O lançamento comercial da tecnologia LTE está previsto para 2010.

fonte ipnews